De “lepra” à “hanseníase”

Uma análise lexicológica de base sócio-histórica

Palavras-chave: Léxico; sociedade; lepra; hanseníase.

Resumo

Este trabalho teve como objetivo principal analisar, com base nos postulados da lexicologia sócio-histórica, como se deu a concorrência das palavras lepra e hanseníase nas décadas de 1970 e 2000, no intuito de compreender o lugar do léxico no percurso histórico da sociedade brasileira. Para alcançar o objetivo geral deste trabalho, foram definidas quatro etapas: (1) levantar as ocorrências das palavras lepra e hanseníase na base digital do Jornal do Brasil; (2) observar o surgimento do neologismo (hanseníase), sua difusão e o processo de mudança na frequência de uso dos termos; (3) escolher uma sincronia antes e outra depois da inversão da frequência; (4) analisar a ocorrência dessas palavras em 100 textos de cada sincronia. Os dados apontaram que houve a mudança de percepção da doença no mundo. No momento de luta pelo tratamento de doenças endêmicas surgiu a palavra hanseníase e com a conquista de direitos e com o avanço da medicina na cura da doença, a palavra ganha força e se encaixa perfeitamente no léxico do português.

Biografias Autor

Marcus Vinícius Pereira das Dores, Universidade Federal de Minas Gerias

Mestrando do Programa de Pós-GRaduação em Estudos Linguístico da Universidade Federal de Minas Gerais.

Cecília Valle Souza Toledo, Unifersidade Federal de Minas Gerais

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, da Faculdade de Letras, da Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte, Brasil. Bolsista CAPES.

Publicado
2018-11-28
Como Citar
Dores, M. V., & Toledo, C. (2018). De “lepra” à “hanseníase”. Diacrítica, 32(1), 179-208. https://doi.org/10.21814/diacritica.124