Um quinta que fosse só sua - sobre A Cidade e as Serras

  • Andre Corrêa de Sá University of California, Santa Barbara
Palavras-chave: Eça de Queirós, A Cidade e as Serras, pragmatismo

Resumo

A Cidade e as Serras, romance póstumo de Eça de Queirós, é um dos livros que mais controvérsia tem gerado na crítica especializada, que não consegue decidir-se sobre o tipo de ideias e de argumentos que nele se defendem, nem sobre as razões pelas quais se justifica voltarmos a examinar a história de Jacinto. Qualificado por uns, que na história do milionário que troca a Civilização pela Natureza, assim encontrando o sentido para a vida que em Paris lhe faltava, reconhecem o ponto mais alto da imaginação irónica de Eça e a esperança de um humanista que se empenhou em combater a injustiça económica e social, e desqualificado por outros, que o vêem como a prova da decadência de Eça, que, abandonando os desígnios de transformação da sociedade que marcaram a sua carreira de escritor realista, traía a sua personalidade literária e nos oferecia, na última fase da obra, a apologia de um Portugal reacionário e tradicionalista. Apesar das diferenças entre os vários juízos críticos, todos nos dizem que A Cidade e as Serras corresponde ao espelho da relação que Eça mantinha com Portugal e, em sentido lato, com o Mundo Moderno. 

Publicado
2020-07-01
Como Citar
Corrêa de Sá, A. (2020). Um quinta que fosse só sua - sobre A Cidade e as Serras. Diacrítica. https://doi.org/10.21814/diacritica.186
Secção
(Re)leituras e campo literário