O AMOR COMO ΠAΘOΣ: EROS E A PAIXÃO ERÓTICA NA PEÇA O MERCADOR DE PLAUTO

  • Stefanie Cavalcanti de Lima Silva Mestranda em Literatura Comparada do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPG Letras) da Universidade Federal do Ceará. Bolsista CAPES, Brasil.
  • Francisco Edi de Oliveira Sousa Professor efetivo da Universidade Federal do Ceará, Brasil. Possui doutorado (2008) em regime de co-tutela pela Universidade de São Paulo e pela Sorbonne (Paris IV), pós-doutorado (2013) pela Sorbonne (Paris IV).

Resumo

Este artigo propõe, por meio de um exame da personagem senex na peça O Mercador de Plauto, analisar as consequências do encontro com o deus Eros/Cupido sob a perspectiva da filosofia estoica, isto é, de uma doença (insânia), cujo tratamento era dado pela filosofia, e discutir, por meio das atitudes da personagem Demifão, os malefícios do descontrolo e da falta de moderação diante da paixão erótica. Tal investigação apoia-se principalmente em textos filosóficos de Platão (Fedro e O Banquete), Aristóteles (Retórica e Ética a Nicômaco) e Cícero (De Senectute e Diálogos em Túsculo) e em textos de autores contemporâneos, como Martha C. Nussbaum (Theory of Desire) e Aude Lancelin e Marie Lemonnier (Os Filósofos e o Amor).

Publicado
2018-10-02
Como Citar
Silva, S., & Sousa, F. (2018). O AMOR COMO ΠAΘOΣ: EROS E A PAIXÃO ERÓTICA NA PEÇA O MERCADOR DE PLAUTO. Diacrítica, 31(2), 17. https://doi.org/https://doi.org/10.21814/diacritica.227
Secção
A emoção na criação literária e cultural