Helder Macedo: o ensaio como gesto amoroso

  • Mariana Braga Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Helder Macedo, Camões, ensaio, carta de amor, presentificação.

Resumo

Este artigo pretende analisar possíveis pontos de interseção semânticos e estruturais entre o gênero epistolar e o gênero ensaístico na obra crítica de Helder Macedo. Tomarei como objeto de estudo Camões e outros contemporâneos (2017), sua mais nova coletânea de textos críticos revisitados, a qual inclui quatro ensaios sobre Luís de Camões. Entre eles destaca-se “Camões: o imaginário da malandragem”, em que o ensaísta se debruça sobre cartas cuja autoria é atribuída ao poeta. Para refletir sobre a importância do amor na obra de Helder Macedo – como tema, força motriz e modus operandi –, será fundamental o estudo de semiótica Presenças do outro (2002), de Eric Landowski, no qual há um capítulo dedicado especificamente às cartas de amor, entendidas como um meio pelo qual se procura tornar presente o outro ausente, ou seja, como ato de presentificação do outro.

Publicado
2020-07-01
Como Citar
Braga, M. (2020). Helder Macedo: o ensaio como gesto amoroso. Diacrítica. https://doi.org/10.21814/diacritica.254
Secção
(Re)leituras e campo literário