A cartografia e a artografia como métodos vivos de investigação em arte e em educação artística

  • Leonardo Verde Charréu Instituto Politécnico de Lisboa, CIEBA (Centro de Investigação e Estudos em Belas Artes/ FBAUL-UL) GEPAEC (Grupo de Estudos e Pesquisas em Arte, Educação e Cultura UFSM- Brasil)
Palavras-chave: métodos artísticos de investigação, cartografia, artografia, investigação viva

Resumo

Pretende-se abordar dois métodos que têm vindo a ser utilizados por investigadores recentes na escrita das suas dissertações e teses, com particular destaque para as que têm sido implementadas (não sem resistências) em algumas instituições universitárias que têm ousado romper com os métodos tradicionais de investigação, não só em áreas como as artísticas, como também naquelas que pertencem ao que se convencionou chamar de humanidades. A dimensão performativa e assumidamente “artística” destes trabalhos, afasta-se dos critérios avaliativos e respectivos parâmetros de análise correntemente utilizados na investigação qualitativa. Esta tem claras limitações para avaliar o artístico, e o que implicam de inefável e fenomenológico, sobretudo se nos posicionarmos a partir do lugar do investigador-artista consciente da própria natureza única e irrepetível do seu trabalho e da sua prática.

Publicado
2019-11-20
Como Citar
Charréu, L. (2019). A cartografia e a artografia como métodos vivos de investigação em arte e em educação artística. Diacrítica, 33(1), 83-103. https://doi.org/10.21814/diacritica.298
Secção
What is artistic research?: Presuppositions, Practices and Problematizations