Representação fonológica e percepção de fala: O papel da pausa

Resumo

Investigamos a percepção de pausas em fronteiras de frase entonacional (IP) no Português Brasileiro (PB) e abordamos a relação entre produção e percepção da fala. Vinte sujeitos adultos, falantes nativos do PB, sem distúrbios de linguagem e sem queixas auditivas, participaram de um teste experimental de identificação de pausa. Usamos estímulos auditivos nos quais a fronteira IP foi marcada por uma combinação de pausa e variação de altura ou apenas variação de altura. Os resultados são os seguintes: (i) quando os estímulos consistiam em uma combinação de pausa com variação de altura no limite IP, as pausas foram identificadas significativamente (ii) quando os estímulos não tinham variação de altura nos limites IP, as pausas não foram identificadas significativamente, (iii) quando somente ocorreu variação de altura, sem produção de silêncio, foram identificadas pausas na fronteira testada. Esses resultados corroboram o argumento de que a percepção de fala não depende inteiramente da recuperação de um padrão acústico e evidencia a importância da representação fonológica para a percepção e organização do estímulo auditivo percebido. Com base nos resultados, argumentamos que a percepção de pausa resultaria da ilusão perceptiva marcada pela combinação de diferentes tipos de informações linguísticas, em nível fonético-acústico e representacional.

Publicado
2019-12-16
Como Citar
Tenani, L., Soncin, G., & Berti, L. (2019). Representação fonológica e percepção de fala: O papel da pausa. Diacrítica, 33(2), 4-18. https://doi.org/10.21814/diacritica.401
Secção
Linguística Experimental e Variedades do Português