Compostos de discurso direto no português do Brasil

Interação fictiva no léxico

  • José Carlos da Costa Júnior UFMG
  • Luiz Fernando Matos Rocha UFJF
Palavras-chave: Compostos de Discurso Direto. Fictividade. Linguística Cognitiva.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar e discutir os padrões formais e exemplos de Compostos Nominais de Discurso Direto (CDDs) no português brasileiro, concebidos como um complexo lexical que se caracteriza por possuir um nome (N) ou sintagma nominal (SN) e um modificador em discurso direto fictivo, assim exemplificados: “aliança eu escolhi esperar”, “dia do Fico”, “boquinha de moranguinho assim me sujei com morango, sabe?’’ emaquiadoro” (adoro + maquiagem). Fundamentamos nossas reflexões com base em autores da Linguística Cognitiva, tais como Langacker (2008), Talmy (2000) e, principalmente, Pascual (2002, 2014, 2016). A partir das 44 ocorrências de CDDs em modalidade escrita de português brasileiro, extraídas da internet, arregimentaram-se quatro padrões formais, na seguinte ordem de frequência: (i) S(N) + preposição “de” + modificador de discurso direto; (ii) (S)N + modificador de discurso direto; (iii) S(N) + (preposição “de’’) + angulador “(tipo) assim” + discurso direto; e (iv) nome + morfema de discurso direto (em uma mesma palavra). Postula-se que os CDDs sejam uma forma de mesclagem léxico-discursiva em que a adjetivação de nomes se estrutura por meio do frame de com

versação, forjando dramaticidade no interior do composto, fato que promove efeitos como humor, caricatura, crítica e persuasão.

Palavras-chave: Compostos de Discurso Direto. Fictividade. Linguística Cognitiva.

Biografias Autor

José Carlos da Costa Júnior, UFMG

Doutorando em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Luiz Fernando Matos Rocha, UFJF

Pós Doutor em Linguística. Professor adjunto na UFJF. 

Publicado
2018-11-28
Como Citar
Costa Júnior, J. C. da, & Rocha, L. F. (2018). Compostos de discurso direto no português do Brasil. Diacrítica, 32(1), 159-178. https://doi.org/https://doi.org/10.21814/diacritica.43