‘FEEDBACK PARA QUE TE QUERO?’

ESTUDO SOBRE O FEEDBACK DIRETO E INDIRETO EM TAREFAS DE ESCRITA

  • Liliana Gonçalves Universidade de Macau, República Popular da China.
  • Carlos Filipe Guimarães Figueiredo Universidade de Macau, República Popular da China.
  • Júlio Reis Jatobá Universidade de Macau, República Popular da China.
Palavras-chave: Tarefas de escrita, Feedback, Desenvolvimento do português língua-cultura, Aprendentes chineses

Resumo

As mais recentes propostas didático-pedagógicas consideram ser fundamental fornecer algum tipo de resposta aos trabalhos escritos dos estudantes (Hyland 2003; Sheen 2010), não só para que os aprendentes desenvolvam as suas capacidades de escrita, mas também para que melhorem a própria proficiência na língua-cultura. Neste sentido, o presente artigo apresentará, primeiramente, os diferentes tipos de resposta que podem ser dados aos estudantes, nomeadamente o feedback escrito do professor, o encontro (face a face) professor-aluno(s) e o feedback dos colegas (Hyland 2003; Liu & Hansen 2002). Em seguida, analisaremos trabalhos escritos realizados pelos nossos aprendentes de nível B1, concentrando a nossa atenção no feedback escrito do professor com o intuito de entendermos se o mesmo tem algum impacto no melhoramento dos textos dos aprendentes e qual será o feedback escrito mais eficaz para atingir esse objetivo. De entre as conclusões a que nos foi possível chegar, ressalta-se uma evidente melhoria dos textos dos aprendentes depois de concluída a fase de reescrita da tarefa em questão. Concluímos também que, para os níveis intermédios, o feedback escrito múltiplo ou misto é o que pode ser mais eficaz na correção e/ou reescrita.

Publicado
2019-07-03
Como Citar
Gonçalves, L., Figueiredo, C. F., & Jatobá, J. (2019). ‘FEEDBACK PARA QUE TE QUERO?’. Diacrítica, 32(2), 29. https://doi.org/10.21814/diacritica.444
Secção
Confluências em Português Língua Segunda/Língua Estrangeira/Língua de Herança