EFEITOS DA DURAÇÃO DO VOZEAMENTO DA FRICATIVA [Z] NA IDENTIFICAÇÃO, POR BRASILEIROS, DE PARES MÍNIMOS PRODUZIDOS POR HISPÂNICOS

INSUMOS PARA A DISCUSSÃO SOBRE INTELIGIBILIDADE DE FALA ESTRANGEIRA

  • Ubiratã Kickhöfel Alves Pesquisador CNPq - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.
  • Luciene Nassols Brisolara Universidade Federal do Rio Grande, Brasil
  • Leonardo Cláudio da Rosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil
  • Ana Carolina Signor Buske Bolsista PROBIC e FAPERGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.
Palavras-chave: Português como L2, Duração do vozeamento de [z], Inteligibilidade

Resumo

Este trabalho propõe verificar os efeitos do grau de vozeamento da fricativa [z] produzida por falantes hispânicos para o estabelecimento da distinção entre as categorias ‘surdo’ e ‘sonoro’ por parte de ouvintes brasileiros. Para a realização do estudo, coletaram-se dados de fala de seis hispânicos que residiam no Brasil há, no máximo, doze meses. A partir das gravações e das manipulações de diferentes graus de vozeamento (referentes a 0%, 25%, 50% 75% e 100% da duração total da fricativa), foi elaborada uma tarefa de identificação no Software TP (Rauber et al. 2012), que foi aplicada a 35 estudantes universitários brasileiros. Os resultados do experimento indicaram que a atribuição do status sonoro da fricativa prescinde de uma vibração de pregas vocais que se estenda ao longo de toda a consoante. Além disso, foi possível observar que o padrão 25% de porção de vozeamento é mais dificultoso para a identificação dos aprendizes brasileiros. A análise de resultados inferenciais e descritivos individuais permitiu mostrar que não podemos considerar tal padrão como plenamente equivalente a não vozeamento, e que a transição entre as categorias ‘surda’ e ‘sonora’ varia entre os ouvintes, sem haver um ponto “limiar” comum a todos os participantes.

Publicado
2019-07-03
Como Citar
Alves, U., Brisolara, L., da Rosa, L. C., & Buske, A. C. (2019). EFEITOS DA DURAÇÃO DO VOZEAMENTO DA FRICATIVA [Z] NA IDENTIFICAÇÃO, POR BRASILEIROS, DE PARES MÍNIMOS PRODUZIDOS POR HISPÂNICOS. Diacrítica, 32(2), 437-465. https://doi.org/10.21814/diacritica.449
Secção
Confluências em Português Língua Segunda/Língua Estrangeira/Língua de Herança