QUANDO O LÉXICO DÁ BANDEIRA – ASPECTOS COGNITIVO-DISCURSIVOS DA MUDANÇA SEMÂNTICA NA CONSTRUÇÃO DE BRASILEIRISMOS EM REGISTROS LEXICOGRÁFICOS LUSO-BRASILEIROS

  • Anderson Salvaterra Magalhães Universidade Federal de São Paulo, Brasil
  • Janderson Lemos de Souza Universidade Federal de São Paulo, Brasil

Resumo

Neste artigo, busca-se demonstrar a adequação de articular princípios da Análise
Dialógica do Discurso – um campo do conhecimento que emerge da recepção brasileira
ao pensamento do Círculo Bakhtin-Medvedev-Voloshinov (Círculo BMV)
– com fundamentos da Linguística Cognitiva para o tratamento de questões morfossemânticas
do léxico do português brasileiro que indicam importantes atos na
política lusófona. Especi/camente, perseguem-se dois objetivos: 1) identi/car condições
cognitivo-discursivas próprias do português brasileiro que impactam seu
estatuto vernáculo e 2) descrever um caso de mudança semântica que ilustra novas
conceptualizações no léxico interno e registros do léxico externo a serviço de um
projeto lexicográ/co caracterizado como ato responsível (Bakhtin). Para isso, selecionam-
se dos primeiros trabalhos lexicográ/cos luso-brasileiros, que datam dos
séculos XVIII e XIX, duas unidades simbólicas em que constam tensões conceituais
entre o lusitano e o brasileiro, a saber, bandeira e bandeirante. Os primeiros registros
são cotejados com representativo trabalho lexicográ/co brasileiro e lusitano
do século XXI para /ns de identi/cação, descrição e análise da mudança semântica
que produz o senso de ‘brasileirismo’ tanto no Brasil quanto em Portugal a partir
de frames (Fillmore) lusitanos. Etc

Publicado
2020-03-20
Como Citar
Magalhães, A., & Souza, J. (2020). QUANDO O LÉXICO DÁ BANDEIRA – ASPECTOS COGNITIVO-DISCURSIVOS DA MUDANÇA SEMÂNTICA NA CONSTRUÇÃO DE BRASILEIRISMOS EM REGISTROS LEXICOGRÁFICOS LUSO-BRASILEIROS. Diacrítica, 32(3), 61-85. https://doi.org/10.21814/diacritica.573
Secção
Corpora nas Humanidades Digitais