Linguagem e poder nas mídias brasileira e portuguesa

  • Isabel Roboredo Seara Universidade Aberta, CLUNL e CEHUM
  • Leonor Santos Werneck dos Santos Departamento de Letras Vernáculas, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.
Palavras-chave: Linguística. Referenciação. Mídia. Violência.

Resumo

Este estudo propõe ampliar a discussão teórica sobre referenciação, analisando artigos de opinião que tratam de temas associados à violência, publicados na mídia em Portugal e no Brasil. Na perspectiva teórica, serão discutidos tópicos referentes à correferencialidade e à inferencialidade necessárias para a identificação dos objetos de discurso, seguindo o aporte teórico da Linguística de Texto e de outras pesquisas com viés textual-discursivo, como Fonseca (1992), Fuchs (1992), Apotheloz e Reichler-Béguelin (1995), Koch e Marcuschi (1998), Mondada e Dubois (2003), Cornish (2011) Maalej (2011), Pecorari (2015), Cabral e Santos (2016), entre outros. Convocamos igualmente alguns pressupostos sobre argumentação, alicerçando a reflexão nos estudos de Ducrot (1988), Charaudeau (2008) e Amossy (2008, 2009). Visa-se descrever o comportamento das anáforas como marcadores axiológicos da condução argumentativa dos textos com temática política, polarizando a complexa rede de poder. Pretendemos, portanto, colaborar nos estudos de interface entre referenciação e gênero textual, especificamente em se tratando de gêneros textuais aos quais os leitores têm fácil acesso via web, demonstrando como anáfora e dêixis podem ajudar a marcar ideologicamente o texto.

 

Publicado
2020-07-01
Como Citar
Seara, I., & Santos, L. S. (2020). Linguagem e poder nas mídias brasileira e portuguesa. Diacrítica. https://doi.org/10.21814/diacritica.588
Secção
Varia