Retratos, paisagens, botões

O percurso artístico de Sarah Affonso (1899-1983)

  • Ellen W. Sapega Universidade de Wisconsin, Madison, Estados Unidos da América

Resumo

Neste ensaio, interpreto o percurso artístico de Sarah Affonso à luz do seu contexto sociopolítico com o fim de entender melhor a sua opção de deixar a pintura em fins da década de 1930. As diferentes fases da sua carreira mudam conforme as várias fases da cultura política do seu país e estas fases talvez sejam ainda mais evidentes na obra de Sarah Affonso pelo facto de ser uma mulher artista. A atividade pública desta artista começou durante a segunda década da República e passou a ganhar novas dimensões sob o Estado Novo. Embora a produção artística de Sarah Affonso não reflita explicitamente esta mudança de regime e a nova política cultural que condicionou os estilos e gostos da época a partir da década de 1930, é importante reconhecer, ao mesmo tempo, que, com a mudança de regime, impunham-se novas medidas que limitavam a liberdade e os direitos da mulher portuguesa.

Publicado
2020-07-30
Como Citar
Sapega, E. (2020). Retratos, paisagens, botões. Diacrítica, 34(2), 21-28. https://doi.org/10.21814/diacritica.607