A variação dos verbos existenciais 'haver' e 'ter' em situações de alto grau de monitoramento estilístico com dados do falar culto dos fortalezenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21814/diacritica.626

Palavras-chave:

verbos existenciais, sociolinguística variacionista, falar culto, elocução formal, Fortaleza-CE.

Resumo

Com base na perspectiva da Sociolinguística Variacionista, analisamos a atuação de fatores linguísticos e sociais sobre a variação dos verbos existenciais haver e ter em entrevistas do tipo Elocução Formal oriundas do banco de dados do Projeto Português Oral Culto de Fortaleza - PORCUFORT Fase I. Para tanto, coletamos dados da fala de 15 indivíduos, a fim de analisarmos, dentre 12 variáveis linguísticas e extralinguísticas, quais são relevantes para a variação em pauta. Os resultados da análise estatística revelaram que, de 523 dados, 192 dados são do verbo haver (29,1%) e 331 do verbo ter (50,2%). Os grupos de fatores relevantes para a análise foram, nessa ordem de importância: Concordância entre o verbo e o SN, Sexo, Faixa etária, Tempo e modo verbal e Presença de elementos à esquerda do verbo.

Downloads

Publicado

2021-05-06

Como Citar

Viana, R. B. de M. ., & Araújo, A. A. de. (2021). A variação dos verbos existenciais ’haver’ e ’ter’ em situações de alto grau de monitoramento estilístico com dados do falar culto dos fortalezenses. Diacrítica, 35(1), 169–188. https://doi.org/10.21814/diacritica.626