O estatuto aspetual do prefixo verbal des- em português europeu

Autores

  • Duarte Oliveira Instituto de Letras e Ciências Humanas, Universidade do Minho, Braga, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.21814/diacritica.650

Palavras-chave:

Prefixo des-, Morfologia Derivacional, Aspeto, Semântica

Resumo

Alguns estudos sobre o estatuto semântico e morfossintático dos prefixos apontam para que a sua contribuição para o predicado verbal tenha uma natureza aspetual. Na sua teoria adjuntiva dos verbos prefixados, Di Sciullo (1997, 2003, 2005) defende que os prefixos são projetados como adjuntos na Forma Morfológica (FM) das derivações verbais e que podem ser definidos como prefixos externos ou internos, dependendo da sua projeção com relação ao SV. Nesta abordagem, os prefixos subjugam-se ao Princípio da Identificação Adjunta (PIA), segundo o qual apresentam propriedades configuracionais específicas na estrutura. O prefixo des- em português é definido enquanto prefixo externo, podendo veicular informação (não-)aspetual externa à projeção verbal, mas também pode imputar informação aspetual interna em determinadas aceções. No presente estudo, é feita uma revisão da abordagem adjuntiva e a sua aplicação a este prefixo. Uma análise primordial revela que des- impõe restrições selecionais à base verbal com que se combina, tendendo a selecionar verbos inerentemente télicos no seu valor reversativo e atélicos no seu valor negativo. No seu valor extrativo, postula-se que des- tenha o mesmo estatuto que um prefixo interno, identificando um traço terminativo [+T] na derivação verbal. As hipóteses formuladas são corroboradas através de uma análise de corpus.

Downloads

Publicado

2021-05-06

Como Citar

Oliveira, D. (2021). O estatuto aspetual do prefixo verbal des- em português europeu. Diacrítica, 35(1), 104–132. https://doi.org/10.21814/diacritica.650

Edição

Secção

Tempo e Aspeto nas Línguas Românicas: Sincronia e Diacronia